Entrevistamos a Renata Honorato (final)

E por fim vem a parte dois.

 

Nada deve ficar pela metade, já diriam os maiores conquistadores de galáxias do mundo nerd. Então já que começamos a entrevista, temos de finalizá-la. Na primeira parte rememoramos o passado gamer da Renata Honorato e suas preferências gamer. Nesta segunda (e última) parte vamos explorar a profissional Renata Honorato.

E antes de começar a ler esta entrevista, vai um recado: mais entrevistas estão engatilhadas para a posteridade. Então sem mais papo, conheçam a profissional do Arena IG, Renata Honorato:

Muitos já sabem, mas vale reforçar. Como você foi parar no jornalismo de games?

Renata Honorato: Na época trabalhava para o IG mesmo, não na divisão Arena IG, estava estagiando e o meu contrato estava se encerrando, então mandei um e-mail para o presidente pedindo a renovação, de um jeito ou de outro ele leu o e-mail e fui remanejada para o Arena. Depois disso foi trabalho atrás de trabalho.

Você trabalhou na EGM (atual EGW) durante 2004 certo, como era o relacionamento entre os colegas?

Renata Honorato: Bom, na verdade eu não trabalhei oficialmente para a EGM, lá eu freelava. Quanto ao relacionamento era muito bom, fiz amigos que levo para toda a vida como o Fabão (Fabio Santana), e o Bueno (Renato Bueno), converso com muitos deles ainda hoje.

Dizem que num meio em que há muitos jornalistas o ego pode ser sentido no ar…

Renata Honorato: Ego existe, mas em que lugar não há disputa de egos. Digamos que era uma disputa saudável. Não tenho do que falar mal de qualquer um deles.

Como é fazer parte de um dos maiores referenciais do mercado editorial de games do Brasil, o Arena IG e como é estar numa revista como foi na época da EGM?

Renata Honorato: É muito legal, aqui no Arena existe uma liberdade incrível para o jornalista, a única coisa que acaba não sendo tão divertida são os fechamentos diários que podem ser muito estressantes, mas isso é natural em qualquer redação de sites, diferente de revista impressa em que há um período de relaxamento durante 15 dias, mas nos últimos 15 dias do mês a cobrança é enorme.

Você foi até a E3 2006 (maior evento de games do mundo), como é estar pessoalmente nesse espetáculo?

Renata Honorato: A E3 é enorme, é indescritível a magnitude que o evento toma para se ter uma idéia não há hotéis em L.A durante a semana que ocorre o evento, há uma série de famosos pelos corredores como Paris Hilton, além de que as coletivas são muito elaboradas e dantescas, lembro que a coletiva de imprensa da Nintendo foi no Kodak Theater, o mesmo local que abriga o Oscar e não posso me esquecer que quando fui no evento o Xbox 360 acabara de ser lançado e havia muita expectativa pelas novidades dele e de seus concorrentes.

Ajuda muito que em 2006 o formato ainda era o antigo, não é…

Renata Honorato: Sim, foi só em 2007 que mudaram para uma forma menor, felizmente não deu muito certo e voltaram aos padrões antigos.

Existe algum jornalista que você admira e por quê?

Renata Honorato: Admiração, hum deixe me ver… (tempo pensando… mais algum tempo pensando). Nesse meio conheci muita gente, e acabei por me desapontar com alguma delas, afinal é um ramo com muito ego, mas se for falar na lata diria que admiro muito o Xico Sá, seus textos são muito bons.

Essa acho que não precisava, mas vamos lá: O que é melhor para jovens jornalistas, freela ou registro?

Renata Honorato: Bom depende, freela pode ganhar um pouco mais pelos seus textos e o quão bom ele foi escrito, mas é difícil receber o dinheiro, há a questão burocrática com emissão de notas fiscais. Já o registrado tem uma segurança maior, mas não pode freelar para outros veículos.

Qual o seu maior erro e seu maior acerto como jornalista?

Renata Honorato: O maior erro, bom, teve uma vez em que eu fui escalada para entrevistar uma banda de El Passo e na época estava muito insegura para ligar falar com os caras, pois eles eram bem, digamos que bem diferentes. Recusei-me a entrevistar os caras, ainda que fosse fã dos caras, após muita conversa conseguiram me convencer a falar com eles, no final deu tudo certo. A entrevista rolou e foi bem sucedida. O erro a que me refiro é “nunca diga não”, nunca diga que você não pode, vá lá e faça, prove que você é capaz.

Profundo, e qual foi o maior acerto?

Renata Honorato: Parece simples, mas é importante. Apesar de trabalhar nos lugares em que trabalhei, diria que um grande feito de que me orgulho foi ter mantido meu blog “vivo” ainda hoje. Ele está no ar desde 2005, convenhamos que é tempo pra caramba e muitas vezes você acaba perdendo interesse por ele.

Uma curiosidade: Existe esse papo de empresa “X” boicotar o patrocínio de revista/site “Y” por causa de um review contrário a opinião deles, ou seja, se você meter o pau em tal jogo da produtora ela vai retirar o anúncio de seu produto?

Renata Honorato: Até pelo que sei não, o que posso dizer é que há uma preocupação em fazer a crítica sem ofender ninguém. Você pode dizer que o jogo não presta sem dizer com essas palavras, a menos que você esteja num dia de “fod#-se o anunciante, vou escrever o que eu quero”. Mas quando o jornalista faz seu review embasado em argumentos válidos, não há motivos para retaliação.

Você acha que a internet vai matar o veículo impresso?

Renata Honorato: Não. Mídia não mata mídia, foi assim na época da TV e agora acontece com a internet, mas acho que todos terão o seu espaço.

Poderia nos esclarecer do que se trata o New Games Journalism ?

Renata Honorato: O NGJ se trata de uma nova tendência adotada pelos veículos que falam sobre videogames, ela se refere ao modo como escrever a matéria, basicamente o jornalista deixa de escrever em 3º pessoa e adota o prisma do personagem, ou seja, em 1º pessoa. Ele conta os fatos do game do jeito que ele viu e não como o personagem fez.

Poderia dar uma dica de como alguém pode entrar na área e se estudar jornalismo é importante para tanto?

Renata Honorato: Entrar na área depende unicamente de você, mande seus textos para as pessoas certas, trabalhe sua lista de contatos e ofereça-se para freelar. E sim, estudar é muito bom, pois nessa área é necessário saber escrever e bem.

.

.

.

Renata Honorato
Editora – Games
Gerência de Conteúdo de Entretenimento
iG – Internet Group do Brasil
www.ig.com.br
www.arenaturbo.com.br

www.colunistas.ig.com.br/gamegirl

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, Games, Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s