Depois do filme: The Gamer

Gerard Butler passa longe dos dias de glória de "300" neste filme a ser esquecido.

Em primeiro lugar devemos dizer que estamos atrasados em mais de duas luas para falar sobre este filme, mas não importa, ao menos tivemos o trabalho de assistir o filme e de quebra ainda vamos falar dele aqui no blog.

Dito isto, The Gamer é uma experiência um pouco ousada de Hollywood em falar sobre videogames sem mencionar um título em questão.  Na trama Gerard Butler é um detento que foi condenado a pena de morte, mas de uma forma bem polêmica o governo aceita uma parceria mais do que suspeita de uma corporação tecnológica. O resultado é que os prisioneiros tornam-se uma espécie de avatar num famoso jogo de FPS no mundo, porém se o personagem morrer no jogo é o fim da vida do infeliz de verdade.

Momento spoiler: esta é uma das partes mais importantes do filme e também uma das mais enfadonhas...

Para salvar-se não há outra alternativa a não ser passar por trinta fases do game. O problema é que os detentos não podem ser controlar segundo as regras do jogo, quem os controla é uma pessoa qualquer, como eu ou você. É um pouco exagerado, mas é algo a se levar em conta no futuro. Neste ponto acho que o game apela ao querer passar a pretensão de que o mundo estará tão tecnologicamente evoluído que as pessoas podem se dar ao luxo de brincar com a vida de outras pessoas. Não há apenas o jogo Slayers (o tal FPS sangrento), há outros jogos como uma espécie de Second Life em que os jogadores podem fazer o que derem na telha com seu avatar, seja usar drogas ou se prostituir.

Bom, voltando ao enredo principal, Kable (Gerard Butler) é o maior vencedor do jogo com 27 vitórias e prestes a siar do jogo, mas a companhia que criou o jogo tem motivos para não querer deixá-lo escapar com vida. A partir daí o filme descamba, pois o moleque que controla Kable na verdade é um jogador fraco e limitado, enquanto Kable é meio que um cara burro, pra ser sincero.

Mas mesmo sendo um tanto quanto tapado o Kable tem o que todos os personagens de Gerard Butler têm, e isto é testosterona. Sim, pessoal, Kable é um cara casca grossa e quer se ver livre do jogo para salvar sua esposa e filha. Isto significa que ele não mede esforços para livrar-se do Slayers e reassumir sua vida.

Lendo assim parece que o filme é bom não é? Mas ele não é, pra dizer a verdade ele é bem fraquinho. Talvez o único mérito dele são suas cenas de ação e os ângulos de câmera que por vezes nos faz pensar que estamos assitindo uma partida de Gears of War ao invés de um filme de tiroteio. Gerard Butler não é mal ator, muito pelo contrário, ele é um dos que sabem bem como fazer o público se entusiasmar. Porém ele acaba sendo vítima de um enredo fraco de um filme apelativo.

"Em breve vocês verão, vou convecê-los de fazer uma sequencia de "300" e minha carreira voltará ao normal.

Quanto aos outros personagens da trama? Bem, todos eles são descartáveis, inclusive o garoto que a princípio controla nosso herói. Sim, todos os personagens são imprestáveis na trama e não têm relevância nenhuma na trama, mesmo o vilão é meio sem sal.

Os aliados de Butler vão aparecendo e em dado momento desaparecem da história (ou morrem) e você nem se deu conta, patético. O elenco esteve em maus dias neste longa, fato.

Se quiser ter uma idéia do que é The Gamer pense em como seria Inteligência Artificial com tiroteios e ação inexplicada e mais um vilão bobo e sem razões nenhuma de aparecer. Conclusão só assista se não tiver outra alternativa.

Fique ligado em The Gamer: o vindouro site do colega de profissão e amigo Rafael Arbulu divideo o mesmo nome deste longa mas não tem nada a ver com Gerard Butler e seus trutas!

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Games, Reviews

3 Respostas para “Depois do filme: The Gamer

  1. ony2005

    Vi apenas o começo e não aguentei, muitos falavam que era cheio de referencias e tal, mas no fim achei chato pra caramba.

  2. Pois é, o filme é do tipo que você deve tirar nos primeiros 20 min pra não se arrepender depois. É um dos mais chatos que assisti esse ano.

  3. It’s the best time to make some plans for the future and it’s time to be happy.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s