Nos tempos da Squaresoft (Parte II)

 

Square-Enix aqui não!

 

A segunda parte do especial “Nos tempos da Squaresoft” finalmente deu as caras no blog. Se você perdeu a primeira parte clique bem aqui.

Desta vez irei falar um pouco de um dos jogos mais belíssimos da geração PSX e irei contar sobre o primeiro game da produtora Squaresoft (atual Square-enix) para PS2 que acreditem foi um beat’em up.

.

Legend of Mana

 

Legend of Mana é um daqueles que ficam famosos por seu designer ambicioso

 

A maioria dos games de RPG que a Square produz conseguem se transformar em franquias, hoje em dia temos Final Fantasy como maior exemplo, mas outrora tínhamos pequenos notáveis e um deles com certeza é a franquia Mana.

Assim como a Namco possui a série Tales of (alguma coisa), a Square sempre teve (alguma coisa) of Mana, e de todos os games da série Mana teve um que se tornou inesquecível.

 

Em "Mana" os gráficos eram coloridos

 

O game Legend of Mana (ou Senkei Densetsu IV) já era o quarto game da franquia Mana, sendo que os demais foram lançados para Snes. O jogo é de 1999 e trazia uma aventura formidável em que um grupo partia em busca da recuperação do mundo através de uma árvore muito especial chamada Mana, árvore essa que simboliza a vida de todos os seres. No game você controla um personagem que você poderia definir o nome e o sexo.

Após a criação do personagem você iria embarcar em mundo repletos de aventuras e empolgação ao lado de diversos personagens que vão complementando a história do game conforme a aventura prosseguia.

 

Ei Square, que tal um remake?

 

A qualidade gráfica do game impressionava muito apesar da época de lançamento, os gráficos com certeza deixavam qualquer jogador de queixo caído, pois contava com um visual que dava a impressão de que foi desenhado à mão, uma vez que os cenários lembravam claramente as páginas de livros ilustrados.

Se a qualidade gráfica era boa, imagine o que dizer sobre a qualidade sonora, nela encontrávamos um sonho de game, a cada cenário que lhe era apresentado tínhamos passagens musicais que ficavam em nossas mentes, pois eram temas marcantes e perfeitamente encaixados em todo o conteúdo.

O sistema de jogo seguia de duas maneiras sendo administrativa  na qual você iria prosseguir com a criação do mundo em que o game faz parte, criar sua fazenda de animais (chamados Pet), esses animais auxiliam o jogador como parceria em batalhas e lhe davam certo entretenimento e ainda criavam certos instrumentos musicais que lhe davam poderes especiais em batalhas, tudo isso em sua casa na qual você iniciava o game.

A segunda parte da jogabilidade estava na parte de exploração e sistema de batalha, o modo de exploração seguia como em todo game de RPG com ângulos de câmera fixado em um cenário deixando o jogador livre para explorar o local que lhe era apresentado.

Já o sistema de batalha seguia como num verdadeiro beat ‘em up, pois o jogador ganhava um ângulo de câmera lateral e  em sua pequena parte do cenário podia-se andar para qualquer lado e surrar os inimigos com diversos combos e magias.

 

Aos sortudos que ainda podem jogar games de PS1 e nunca viram Mana, recomendo-lhes que o façam agora.

 

Havia também a possibilidade de se jogar em parceria com outro jogador, neste caso o segundo controle assumia o comando do parceiro de seu personagem, este parceiro não é um personagem fixo, pois o mesmo sempre era utilizado para fazer a historia das missões que o game possuia, quando esta missão era concluída seu parceiro teria de ir embora.

Ao todo eram 67 missões, além da última quest do game que se resulta no magnífico final da obra, todas elas possuíam uma historia relativa há algum personagem (pelo menos a maioria) sendo estes personagens todos cativantes e que deixam deixar saudades para todos que jogaram a obra.

Legend of Mana  é um dos melhores games de PS1 e com certeza é uma obra que fica em nossas memórias para todo o sempre.

.

Ficha

Ano de Lançamento: 1999

Console: PS1

Produtora e Distribuidora: Squaresoft

.

.

.

The Bouncer

 

Sim, este foi o primeiro game da Square para o PS2

 

Pancadaria! Sim a Squaresoft antes de juntar as escovas de dentes com a Enix, chegou a fazer um game questionável, sendo ele o primeiro game da Squaresoft para PS2.

A história do game é um pouco confusa, mas consegue agradar, você controla um grupo de camaradas bons de briga que devem resgatar a jovem loirinha Dominique das garras de uma organização científica chamada Mikado, falando desta maneira bem resumida dá para entender alguma coisa, mas ao longo da jogatina haviam fatos poucos explicados que deixavam a sensação de que nada fez sentido, e na verdade não fez mesmo.

 

este é o protagonista do jogo, lembra alguém?

 

Os personagens jogáveis do game são, Sion Barzahd um jovem de 19 anos semelhante à Squall de FF VIII, Volt Krueger de 29 anos este lembra o Zell de FF VIII agora com chifres e músculos e Kou Leifoh um cara que não lembra ninguém, ele tem 25 anos de idade.

Todos os personagens citados possuem estilos de luta diferentes com golpes que agradam o jogador e por isso eram fatal que você quereria jogar com cada um dos três durante a jogatina.

Os gráficos do game são razoáveis, pois a Squaresoft conseguiu melhorar muito no aspecto (Final Fantasy X), os cenários com poucos detalhes deixam a sensação de que pouco trabalho foi empregado aqui, mas nota-se pelo character designer que houve algum esforço, ainda que pouco. Por falar nisso, o character designer do game é assinado por nada mais nada menos que Tetsuya Nomura, o responsável pelas obras Final Fantasy VIII e Kingdom Hearts, então é daí que vem a semelhança de alguns personagens do game com os de Nomura.

A mecânica do game segue-se beat’em up  com o velho andar e bater, a idéia até que era boa se houvesse mais trabalho, na época de lançamento o game parecia ser algo esplêndido com gráficos maravilhosos e outras coisas que chamavam a atenção, mas o resultado final é de fato vergonhoso, pois um game de quase  4 horas que é um puro andar e bater sem muito que fazer deixa qualquer um aborrecido.

 

Preste atenção nos detalhes. Mas que detalhes?

 

The Bouncer é um game que com certeza foi esquecido, a primeira vez que eu vi foi em uma revista GamerStation, estava curiosamente na capa, até confundi com algum novo FF, sendo assim logo na aquisição de um PS2 corri atrás do game e o encontrei, o resultado foi decepcionante, mas deu certa nostalgia, pois são poucos os games de PS2 que são beat ‘em up, talvez esse seja o único ponto forte do game.

.

Ficha

Ano de lançamento: 2000

Plataforma: PS2

Produtora: Dream Factory e Squaresoft

Distribuidora: Squaresoft

.

.

Fim da parte dois. Será que vai ter parte3???

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Games, Retrô

Uma resposta para “Nos tempos da Squaresoft (Parte II)

  1. Fyver

    lengend of mana forever

    meu top games :

    1º lugar : Legend of mana , FFV , legend of zelda , FFT (todos esses em primeiro xD )

    2º lugar : outros -q

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s